sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Orquestra Típica Fernandez Fierro

Quem é apaixonado por Buenos Aires, como yo, já deve conhecer a Orquestra Típica Fernadez Fierro, é claro! Mas, se você ainda não conhece, e gosta de novidade e música boa, não pode perder a apresentação da OTFF, dia 16 de Novembro, no Opinião. Garanto que você, assim como eu, vai se surpreender com a maneira que essa galera está reinventando o estilo clássico de nossos vizinhos, o Tango.


Surgido no século XIX, o Tango mescla drama, paixão, sexualidade, agressividade e, claro, muita tristeza. É musica prostíbulo, de Carlos Gardel e, nos dias de hoje, musica de velho. O fato é que a tradição do Tango está sendo perdida na Argentina, pois os jovens não se identificam mais com o estilo e seus intérpretes. Com a idéia de revitalizar esse estilo aparece a Orquesta Típica Fernandez Fierro. Com formação de orquestra típica de tango (quatro bandoleons, três violinos, violas, violoncelo, contrabaixo, piano e um cantor, fanho de preferência), mas ao mesmo tempo, com uma atitude baseada em sua maneira muito pessoal de sentir e interpretar o gênero, o grupo traz em seus repertórios novos arranjos nascidos de tangos tradicionais, compostos por alguns de seus jovens integrantes. Com sua atitude beirando o punk, seu estilo industrial e sujo, tentam revitalizar a cena milongueira de Buenos Aires.



Descalços, de bermuda ou com as calças rasgadas, cobertos de papel higiênico, cercados por uma rede de proteção. Uns cabeludões, outros não, todos tocam tango à meia-luz. Num primeiro momento, o inusitado da combinação desperta a curiosidade e chama o público por si só. “Tocamos rápido, apertando forte os instrumentos e em alto volume, como o rock, mas sempre com as armas do tango”, diz o cantor Walter “Chino” Laborde, que não descarta o apelo performático. “De olhos fechados, soa como tango; de olhos abertos, parece outra coisa.”



Diferente de outros grupos como Gotan Project e Bajofondo, OTFF não quer nada com experimentações eletrônicas, ela toca o tango mais tradicional possível. A diferença é a atitude anarquista de sair pelas ruas de San Telmo (bairro tradiocional da capital portenha) carregando um piano para mostrar de graça ao público sua música.



De certa forma, a Fernandez Fierro pode ser comparada ao Móveis Coloniais de Acaju. A banda funciona na forma de uma cooperativa, na qual edita seus próprios discos de forma independente e administra seu próprio clube em Buenos Aires, o el CAFF (Club Atlético Fernández Fierro), onde tocam toda quarta. Com 4 CDs lançados, turnê na Europa, a OTFF conseguiu o que queria e hoje mais do que nunca os jovens de Buenos Aires e do mundo estão redescobrindo o Tango. Hoje, uma simples caminhado aos domingos por San Telmo e você esbarra com pelo menos 2 grupos de jovens tocando Tango pelas ruas.



Os mais tradicionalistas do Tango não podem reclamar do som da OTFF. Nos seus discos temos pérolas lindas como a “Canción desesperada”, na qual o cantor canta suas angústias de amor (“¿Dónde estaba Dios cuando te fuiste?/¿Dónde estaba el sol que no te vio?/¿Cómo una mujer no entiende nunca que un hombre da todo, dando su amor?”).

Há também composições de personalidades como Astor Piazzola em “Buenos Aires Hora Cero”, Carlos Gardel em “Cuesta Abajo” e até da musica folclórica argentina de Eduardo Falú, de quem tocam a linda “Zamba de la Candelária”.

A OTFF está para o Tango argentino como a Orquestra Imperial estaria para o samba de gafieira, talvez. As duas tentam trazer um ar jovem, personalidade e cor, mas mantendo a tradição a dois estilos que pareciam fadados a morrer.

Nunca gostou de ouvir Tango? Ou nunca sequer parou para ouvir…? Dê uma chance a OTFF, e confie: você vai experimentar algo único, diferente de qualquer outro estilo musical.

Serviço:
Show no Bar
Opinião.
Quando: 16 de Novembro 2010
Horario: 21hs
Ingressos nas lojas Multisom (Andradas, 1001, e shoppings Iguatemi e Praia de Belas) e pelo opiniaoingressos.com.br.
Valores: R$25 (mezanino) e R$50 (cadeira).
*
*
[fonte: Repeat; Revista Veja]

Nenhum comentário: